Rondon

foi um positivista brasileiro que promoveu a transição pacífica da Monarquia para a República.

O alferes Cândido Rondon tem 23 anos quando auxilia Benjamim Constant a implantar o regime republicano.Rondon. Foi sempre rigoroso na aplicação da sua máxima "Morrer, se for preciso; matar nunca!". Dezenas de oficiais e mais de centena e meia de soldados e trabalhadores civis foram mortos porque desistiram de matar. Melhor dizendo: deixaram-se matar. 

Rondon desbravou mais de 50.000 quilômetros de sertão e estendeu mais de 2.000 quilômetros de fios de cobre pelas regiões do País, ligando as mais longínquas paragens brasileiras pela comunicação do telégrafo. Como indigenista, pacificou tribos, estudou os usos e costumes dos habitantes dos lugares percorridos e participou da criação de medidas legais de proteção aos silvícolas. Tanto que, em 7 de setembro de 1910, foi nomeado diretor da Fundação do Serviço de Proteção aos Índios, precursora da atual Fundação Nacional de Assistência ao Índio (FUNAI), em face do muito que já realizara e da estatura moral e intelectual patenteada em toda sua carreira.

Além dessas conquistas, as expedições de Rondon também contribuíram para que quinze novos rios viessem a figurar em nossos mapas, como resultado de suas explorações fluviais; o Museu Nacional enriqueceu-se com vinte mil exemplares de nossa fauna e flora, devidamente inventariados; enorme área de quinhentos mil quilômetros quadrados foi integrada ao espaço brasileiro; e foram compilados, num total de setenta volumes, relatórios alusivos à Biologia, Geologia, Hidrografia e todos os aspectos das regiões antes desconhecidos.

O reconhecimento da obra de Rondon extrapolou as fronteiras do Brasil. Teve a glória de ter seu nome escrito em letras de ouro maciço no Livro da Sociedade de Geografia de Nova Iorque, como o explorador que desbravou mais profundamente em terras tropicais, ao lado de outros imortais como Amundsen e Pearry, descobridores dos pólos Norte e Sul; e Charcot e Byrd, exploradores que mais desbravaram as terras árticas e antárticas.

Na sessão solene do Congresso Nacional de 5 de maio de 1955, já com 90 anos, Rondon recebeu as insígnias do posto de marechal. Faleceu, no Rio de Janeiro, em 19 de janeiro de 1958, aos 92 anos.

A tenacidade, a dedicação, a abnegação e o altruísmo, atributos marcantes de sua personalidade, o fizeram merecedor, com indiscutível justiça, do título de Patrono da Arma de Comunicações do Exército Brasileiro, sendo sua data natalícia tomada como o Dia Nacional das Comunicações.



Base de Instrução 1 
BASE MARECHAL RONDON

_____A Base de Instrução Nº 1 (BI/1) está situada na altura do Km 65, da rodovia AM-010, que liga a cidade de Manaus à cidade de Itacoatiara, estando situada a uma distância de aproximadamente 15 Km do Município de Rio Preto da Eva. Possui uma estrutura toda em alvenaria e o abastecimento de energia 24 horas além da capacidade para alojar até o efetivo de uma Companhia de Fuzileiros de Selva. Durante a realização dos Cursos de Operações na Selva (COS), é utilizada, principalmente, durante a Fase de Patrulhas e de Operações, apoiando o planejamento e servindo de suporte para as patrulhas terrestres e de longo alcance.
_____Homenageia o Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon, notório desbravador dos sertões e florestas do nosso país. Pacificador, travou diversos contatos com indígenas de várias tribos sem fazer uso da força em sua expedição militar. Com a missão de levar o sistema de telégrafos até os mais distantes pontos da Amazônia Brasileira, utilizou sempre o lema: “Morrer se preciso for, matar um índio nunca”.


Base de Instrução 2
BASE PLÁCIDO DE CASTRO

_____A Base de Instrução Nº 2 (BI/2) situa-se no Km 4 da Estrada do Puraquequara, às margens do igarapé Candiru, que liga a Rodovia AM-010 até o Lago do Puraquequara num percurso de 45 Km de terra batida através Selva. 
_____A BI/2 encontra-se no local onde foi construído o “Barracão”, o primeiro galpão construído no CIGS para abrigar instrutores e monitores durante a permanência do curso no interior da selva. Apresenta uma estrutura vocacionada para o desenvolvimento da primeira fase do curso, Fase de vida na Selva, onde o aluno adquire os conhecimentos necessários para sobreviver no ambiente de selva, e a segunda Fase, a Fase Técnica, onde o aluno adquire conhecimentos técnicos que serão utilizados durante a fase de patrulhas e operações, principalmente no que diz respeito à parte de topografia. É também utilizada para execução de estágios para civis e militares ministrados pelo CIGS. 
_____Homenageia José Plácido de Castro, homem que liderou brasileiros no início do século XX na revolução Acreana, conflito originado na cobiça pela borracha. Através de uma eficaz e ágil tática de guerrilha, praticada nas coxilhas do Rio Grande do Sul durante a Revolução Federalista, adaptada pelo jovem Plácido de Castro às condições da selva Amazônica. As forças bolivianas são combatidas e finalmente derrotadas na cidade de Xapuri. Plácido de Castro é declarado Governador do Estado Independente do Acre. Através da diplomacia, o governo brasileiro, na pessoa do Barão do Rio Branco, compra as terras em questão, anexando-as definitivamente ao nosso país.


Comments